segunda-feira, 27 de agosto de 2007

SAINDO PELA BOCA...


O que você tenta expulsar do seu corpo, junto com a comida, quando você mia?
.
O que é de tão insuportável que está aí dentro de você que precisa sair a qualquer custo?
.
Será que miar é a única solução?
.
Se você parar para observar, vai perceber que todas essas tentativas de exorcizar esses fantasmas não tem funcionado.
.
Quanto mais vocês usam esse recurso, mais forte esses fantasmas ficam, porque eles se alimentam desse vazio que fica depois de miar ou de evacuar...
.
Até quando vocês vão continuar alimentando esse fantasma aí dentro de vocês?
.
.
Antigamente, os predadores dos homens primitivos habitavam o mundo externo. As feras estavam soltas e eles se defendiam como podiam: com paus e pedras. O homem primitivo, quando sozinho, podia fazer pouca coisa diante da ferocidade das criaturas selvagens que o ameaçavam. Na maioria das vezes, era necessário que eles se reunissem em grupo para vencer essas feras. Geralmente, o êxito era certo quando estavam em grupo.
.
Nos dias atuais, as feras que habitam o mundo interno parecem muito mais reais do que as enfrentadas por aqueles homens primitivos . E essas criaturas de hoje parecem muito mais ameaçadoras. Naquele tempo, os ruídos e os movimentos deixavam os homens primitivos em estado de alerta e eles podiam preparar uma defesa. E hoje? Que defesa pode haver contra as criaturas que habitam o nosso mundo interno. Sendo que, muitas vezes, essas criaturas se confudem com o próprio ser no qual habitam?
.
Assim como nos tempos primitivos, não resta outra alternativa a não ser estarmos em grupo para que possamos nos defender da melhor forma.
.
Se você quer enfrentar essas feras que habitam o mundo interno, junte-se a nós!
.
Se vocês já tentaram de tudo: NF , LF, laxante, chá de sene, dieta do leite, dieta do demo, etc. e nada disso funcionou, se vocês estão cansadas desse processo que não tem levado a lugar nenhum e os fantasmas e feras continuam as soltas devastando o seu mundo interno, entre em contato com o Thinspoaction!
.
Abrimos a temporada de caça!
.
E os fantasmas e feras que se cuidem!
.
.
Todos os textos deste blog estão vivos... E vão sendo modificados, acrescentados, de acordo com o que é vivido, sentido, tocado, percebido e etc...

domingo, 26 de agosto de 2007

VOCÊ TEM FOME DE QUE?






















O que você devora junto quando está devorando a comida numa compulsão?

Na compulsão, o que você devora consegue preencher o vazio ou a repetição do ato compulsivo cava o buraco que se quer tapar?

E quanto mais você repete o ato mais vazia se sente...


A compulsão não seria uma fórmula pseudo mágica para afastar maus pensamentos?

Quais seriam esse pensamentos que você tanto quer evitar?

O que a comida faz com você? Anestesia a sua dor?

E quanto mais você tenta anestesiar, mais ela (a dor) reclama, exige, uma dose maior dessa droga anestésica (a comida)...

E vocês tomam uma resolução: essa é a última vez...

E o que acontece? A resolução mostra-se apenas temporária porque a compulsão parece que se tornou senhora da sua casa (o seu corpo) e você virou apenas a empregada a serviço desse corpo...

Hoje vi num blog uma frase que mostra exatamente esse ponto:

" quero ser pelo menos uma vez...protagonista da porra do filme
que é a minha vida. Porque até agora eu só tenho sido figurante.
A minha vida tem VIVIDO sem mim..."

Acontece que esse inferno compulsivo é particular... Ele é vivido sozinho... de forma silenciosa...Sem ninguém para compartlhar...

Não há um só grito...

Para os "outros" isso não é mostrado. Não se come em público... Esconde-se a comida no guarda-roupa..., esconde-se a tristeza... esconde-se a vida!

Muitas vezes esse inferno se passa como se a vida fosse vivida de forma dupla: externa e internamente. Externamente, a aparência engana... muitas vezes não há nenhum indício de qua algo esteja errado.

Internamente, é o contrário. A bulimia, através do ato compulsivo, mobiliza e invade a vida tal qual um câncer. É como se ela se encarregasse de preencher a vida não só com comida, mas, junto com a comida, viesse a vergonha, culpa, dor e desprazer. Algo que não pode ser mostrado. E isso que não pode ser mostrado vai devorando o corpo, vai devorando a vida...

Se você tivesse um câncer, o que faria? Se deixaria ser devorada por ele?

(O texto de hoje vai ser escrito ao longo de todo o dia ou, quem sabe, da semana; e é pra ser digerido bem devagarzinho...)

Quem quiser pode já comentar a pergunta...

sábado, 25 de agosto de 2007

HOJE É SÁBADO!


A dica do dia é boa!
Se você tá afim de variar a dieta, não tem problemas!
Aqui vai a dica para um lanche substituto de almoço:
.
02 fatias de pão
01 fatia de peru defumado
01 folha de alface
01 fatia de tomate
01 fatia de queijo branco freco
280 cal
--------------------------




Se você tá a fim de chutar o balde. a dica é cachorro quente...
.
280 cal

--------------------------


Se você é do tipo que não resiste a uma cervejinha e uns petiscos...
.
560 cal

O que fazer depois dessa farra toda?
.
Tomar laxante, chá de sene, miar ou tudo isso junto?
.
O que vocês preferem?
.
Isso é coisa do passado... Esqueçam essa idéia! Tudo isso só vai fazer você ter compulsões e mais compulsões!
.
Quer perder tudo isso?
.
Simples:
.
1/2 hora de bicileta faz você perder 280 cal / 01 hora faz perder 560 cal...
Correr 1/2 hora sem sair do lugar: 274 cal / 01 hora 548 cal
Dançar 01 hora: 315 cal / 02 horas 630 cal (Por que não sai pra dançar hoje?)
Caminhar 01 hora: 244 cal
Pular corda 1/2 hora: 335 cal / 1h 670 cal
.
Que tal aproveitar as dicas e tentar viver um pouquinho sem culpas, só por hoje?




quinta-feira, 23 de agosto de 2007

QUANTAS CICATRIZES VOCÊ TEM...?

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Há um tempo atrás, fiz uma trilha em Guaramiranga com um grupo de amigos. Estávamos à procura de um lugar apropriado para um rappel. Inesperadamente, uma garotinha de aproximadamente oito anos se emparelha a mim e pergunta:
“quantas cicatrizes você tem?”
.
Antes que eu pudesse responder, ela diz: “eu tenho duas...” mostrando com orgulho duas marquinhas que possuía na perna. Depois saiu correndo alegre e satisfeita pela trilha.

A pergunta me atravessou feito uma flecha. De repente, começo a ouvir o meu coração batendo forte e apressado. Um suor frio (que mais parece vir da minha alma do que do meu corpo em movimento), molha toda a minha camisa. O que era pra ser apenas uma trilha no meio da mata e uma descida de rappel, se transforma numa trilha tortuosa pelos caminhos do meu coração e uma descida sem cordas que penetra nas diversas camadas do meu ser.

Num instante, já não estou mais consciente de nada que acontece externamente: cores, pessoas, cheiros, ruídos e etc. Senti que fui impelida bruscamente numa viagem no tempo em que revisitei pessoas, histórias, amigos e situações que deixaram marcas.

Uma inocente pergunta me provocara uma espécie de expansão na consciência e me deixara frente a frente comigo mesma, sem nenhum tipo de proteção. Nesse momento, não me sinto triste, mas me sinto só; não sinto dor, mas sinto frio; não sinto pena de mim, mas choro...

Procurei um lugar isolado pra observar aquela avalanche de sensações e encontrei uma ponta de pedra, à beira de um penhasco, de onde se podia ver um bonito lago.
.
Lá, comecei a olhar para todas as cicatrizes que trazia na alma e no coração...

Fiquei pensando em quantos ferimentos tinham sido causados por minha responsabilidade direta, por escolhas desacertadas e buscas desencontradas; quantos eu havia permitido que os outros fizessem por ser tão crédula a respeito do amor, da bondade e da amizade; e quantos aconteceram por fatalidades ou imprevistos e que, nem porisso, foram menos dolorosos.

Parece que alguns ferimentos são tão letais que a gente tem a impressão de que se morre diversas vezes na mesma vida. E quando a gente ressuscita já vem com aquela cicatriz e um medo enorme de levar o próximo golpe... É incrível a nossa capacidade de suportar dores tão doídas, ferimentos tão profundos e, ainda assim, seguir em frente acreditando na vida mais do que na morte.

Enquanto meus amigos já desciam de rappel no lago, um desconhecido que me vê lá de baixo, pergunta: “vai desistir”?
.
A pergunta me traz de volta ao presente e eu faço um breve aceno com a mão.

Sem saber quanto tempo se passara, penso comigo mesma: desistir? Não, hoje não! Hoje tenho um paredão de pedras para enfrentar e ele não é muito diferente de algumas pessoas duras e situações ásperas que eu tenho que lidar nesse mundo cheio de gente raivosa e ressentida.

Compreender a natureza tal como ela é, sem julgamentos, e lidar com as situações adversas que ela apresenta, me ajuda a ser mais flexível com as fraquezas naturais do ser humano e com as minhas próprias, e também me dá a certeza absoluta que, apesar de tudo, a vida se renova não importa quantos ferimentos ela venha a sofrer.

No rappel, sei que alguns pedaços podem desabar e que eu posso me machucar, mas acredito que viver é isso: correr riscos, de vida e de morte! Mas, além disso, sei também que no meio da descida íngreme sempre é possível achar uma flor de beleza rara encravada na pedra. E aí, então, a gente esquece os arranhões, as feridas e as cicatrizes, e ressuscita de novo a fé na vida e nas pessoas e volta a amar mais uma vez, sem se importar com as conseqüências.
.
(Este texto é dedicado a todas as Thispo Girls por acreditarem mais em flores do que em pedras)

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

TRANSCENDER-SE...



"Há algo de verdadeiramente mágico, na transformação de uma lagarta em uma bela borboleta. Mais que uma mudança, sugere mesmo uma transmutação. Algo bem profundo.

Ao se fecharem em si, como crisálida, fecham-se para o mundo e isso permite toda essa transformação, que vem de dentro para a superfície. Elas bem guardam isso, como íntimo segredo.

Dentro do casulo, acontece esse momento mágico, sutil que explode em rara beleza..."

Não poderia deixar de compartilhar com vocês este sensível e profundo texto escrito por uma Thinspo Girl...

"Oi meninas, tudo bom? São cinco da matina e não resisto a partilhar convosco o que considero ter sido o primeiro breakthrough neste longo processo que é reencontrar o meu "eu" à deriva.

Durante mais uma demorada e fascinante conversa com a "P." em que nós dissecavamos ao pormenor todos os meus pontos fracos, as minhas dúvidas, os meus episódios frustrantes do dia-à-dia; ela fez a proeza de me manobrar de tal forma que consegui chegar a uma conclusão brilhante, daquelas verdades inegáveis que não sabemos que sabemos. Pois é, de mim saíu a seguinte frase:

"porque comer normalmente deixa-me sentir"....

E que implicações têm uma frase tão simples e aparentemente sem nexo? Muitas! A primeira é que ando a fugir aos meus sentimentos através de inúmeras dietas falhadas, pois ninguém, por mais esforçada que seja, consegue ignorar a dor a tempo inteiro, e esta escapa-se em segundos como um gás sobre pressão de tal forma que dá lugar a um apetite voraz, reprimido mas libertador. Como se aniquilando uma necessidade básica conseguissemos aniquilar outra necessidade completamente diferente. Não admira que tenha fracassado todas as vezes, ao atribuir aos alimentos significados que não lhe estão destinados...Outra implicação que daí advém, é que não estou pronta para integrar uma nova dieta.

Tenho muito para sentir; muito para berrar, pontapear, chorar, rir, exurpar. Quero abraçar os monstrinhos que tenho escondidos no armário e torná-los parte integrante do meu ser, alguém com vivências dolorosas e extasiantes, limitações e sonhos do tamanho do mundo!

Quando tiver evaporado a última lágrima e falhado a voz de tanto a esforçar, aí sim volto. E volto para valer. Volto para ser eu em toda plenitude! Volto para mostrar o meu lado forte, de mulher que finalmente teve a coragem de enfrentar os medos e regressou para contar a história.

Mas por enquanto... por enquanto vou para o meu quarto. Vou ligar o mp3 sentada na cama, em posição de meditação, ao som do violino e do piano a solo. E aí no escuro, a sós comigo própria, finalmente vou sentir..."

.

O que posso dizer a você M.?

Nada...

Só agradecer pela beleza desse momento em que vejo você tentando sair do casulo, com todas as suas forças, para se transformar num ser único, incomparável, inigualável. Bem vinda ao mundo!

domingo, 19 de agosto de 2007

AJUDA EXTRA NA DIETA...

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Os chás são um ótimo recurso que podem dar uma ajuda extra na dieta para chegar rapidinho no peso que você sempre sonhou.
Vamos compartilhar com vocês algumas ervas que realmente funcionam e o que é melhor: sem prejudicar sua saúde.
.
Estas ervas estão classificadas em cinco grupos: emagrecedoras, calmantes, digestivas, diuréticas e desintoxicantes.
.
Dificilmente o peso extra está relacionado apenas a um problema. Então, a recomendação é usar ervas de grupos diferentes numa mesma infusão, atacando as gordurinhas por todos os lados.
.
Mas, antes de tudo, é importante lembrar que sozinho o chá não faz milagre. Você precisa associá-lo a uma dieta. Então não adianta tomar um chá desintoxicante,por exemplo, para livrar o organismo das toxinas que impedem o emagrecimento, e comer alimentos superindustrializados, cheios de corantes e conservantes. “O açúcar refinado, por exemplo, é repleto de aditivos químicos. É melhor trocá-lo pelo mascavo ou pela estévia”.
.
As ervas, devem ser mudadas a cada 30 dias. Embora não tenham contra-indicações, não se deve usar nenhuma erva por um período muito prolongado.
Mas não vão faltar opções para você variar o seu chá.
.
Descubra a ação das ervas no organismo e como combiná-las numa mesma infusão, facilitando a perda de peso:Seis xícaras diárias. Essa é a medida de chá recomendada nesta dieta. Mas, se você quiser mais, fique à vontade! O importante é não deixar de ingerir uma xícara de cinco a dez minutos antes de cada refeição, incluindo café da manhã, ceia e lanche.
.
Dessa forma, além do efeito terapêutico da erva, o chá dá uma sensação de saciedade, amenizando a fome, o que facilita controlar a quantidade de comida colocada no prato.
.
Quantas ervas usar no chá? Pode ser uma, duas ou todas de um mesmo grupo (veja abaixo). Também é permitido combinar ervas de grupos diferentes. No caso de você ter retenção hídrica e intestino preso, por exemplo, faça um mix de ervas diuréticas e digestivas. Alfafa e hortelã são curingas – desintoxicante e aromática, respectivamente, merecem entrar em todas as combinações.
.
As ervas são divididas em grupos de acordo com os princípios ativos e sua ação no organismo.
.
Diuréticas: o fim da retenção hídricaAgem nos rins e no córtex da glândula supra-renal, inibindo a produção do hormônio cortisona, que bloqueia a perda de peso ou, pior, engorda.

Ervas: cavalinha (Equisetum arvense), dente-de-leão (Taraxacum officinalis), cabelo-de-milho (Zea mays), sabugueiro (Sambucus nigra), abacateiro (Persea americana), quebra-pedra (Phyllantus niruri) e salsa (Petroselium sativum).
.
Digestivas: intestino regulado e barriga lisinha

Contêm substâncias que atuam no fígado, onde é fabricada a bílis, que dissolve a gordura em moléculas menores, facilitando sua absorção pelo intestino.

Ervas: hibisco (Hibiscus sabdariffa), cáscara- sagrada (Rhamnus purshiana), zedoária (Curcuma zedoaria), psilium (Plantago psyllium) e fucus (Fucus vesiculosus).
.
Calmantes: ansiedade sob controle

Agem no sistema nervoso central, acalmando e baixando a ansiedade, que costuma desencadear a compulsão à comida.

Ervas: alecrim (Rosmarinus officinalis), hortelã (Mentha piperita), capim-limão (Cymbopogon citratus), camomila (Matricaria chamomile), melissa (Melissa officinalis), jasmim (Jasminum officinalis), mulungu (Erythrina mulungu) e aniz (Pimpinella anisum).
.
Desintoxicantes: operação limpeza
.
O principal papel destas ervas é captar as toxinas do organismo, eliminando-as por meio da urina, das fezes e do suor e, com isso, colocando um fim no desequilíbrio que ocasiona o aumento de peso.

Ervas: alfafa (Medicago sativa), salsaparrilha (Smilax sp), zedoaria (Curcuma zedoaria), chá-verde (Camelia sinensis), espinheira-santa (Maytenus ilicifolia), bardana (Arctium lappa).
.
Emagrecedoras: ação dissolve gorduraTêm princípios ativos que agem nos rins, no fígado e, principalmente, no intestino.
.
Ervas: alfafa (Medicago sativa), cavalinha (Equisetum arvense), cana-do-brejo (Costus spicatus), graviola (Anona muricata), cabelo-de-milho (Zea mays), carqueja (Baccharis trimera), capim-limão (Cymbopogon citratus).
.
Preparar o chá é simples: ferva a água, junte a erva desidratada e deixe levantar fervura. Desligue o fogo e abafe por dez minutos. Coe e beba quente, morno ou gelado, com ou sem adoçante. Para garantir o efeito medicinal e o sabor, use 1 colher de sopa de erva para 1 litro de água. No caso do mix, a recomendação é 1 colher de sopa de cada erva para a mesma quantidade de água. Triplique a medida se a erva for fresca.
.
O que você deve EVITAR para potencializar a dieta.

• Combinar dois tipos de carboidrato numa mesma refeição, como arroz e batata. • A única parceria permitida é o arroz e feijão. Afinal, a dupla é típica no prato do brasileiro.
• Usar muito sal. Esse tempero deve ser praticamente descartado, pois faz o corpo reter líquido.
• Prefira ervas e especiarias como orégano, alecrim, salsa, dill.
• Consumir alimentos refinados (arroz, pão, macarrão e biscoito feitos com farinha branca). Eles são rapidamente absorvidos pelo organismo, estimulando o pâncreas a liberar muita insulina – hormônio que contribui para o acúmulo de gordura.
• Comer e dormir. Espere pelo menos uma hora e meia depois do jantar para ir se deitar.
• Ingerir bebida alcoólica, pois é muito calórica.

sábado, 18 de agosto de 2007

PRONTAS PARA VOLTAR A VIVER...?



A vida...

A vida é bela

Por demais.

E cada segundo que eu vivo

Cresce dentro de mim

Algo forte como um grito.

A esperança, nela me abrigo

Então faço da saudade,

Felicidade do recordar,

Cura para a dor que sinto.

Um gosto de chuva e terra

O verde, o barro, a lágrima

Um sorriso aberto a choro

De voltar ao lar e ser feliz, de novo

(Fellipe Miranda)

sem título...

Hoje fui dormir 3:00 da manhã e acordei 06:30 com essa música na cabeça...
Vou compartlhar com vocês...













" No centro da sala,
diante da mesa,
no fundo do prato, comida e tristeza.
A gente se olha, se toca e se cala
E se desentende
no instante em que fala... "


"Cada um guarda mais o seu segredo,
sua mão fechada
sua boca aberta
seu peito deserto,
sua mão parada,
lacrada,
selada,
e molhada de medo...



"Pai na cabeceira: É hora do almoço.
Minha mãe me chama: É hora do almoço.
Minha irmã mais nova, negra cabeleira...
Minha avó me chama: É hora do almoço..."


" ... E eu inda sou bem moço
pra tanta tristeza.
Deixemos de coisas,
cuidemos da vida... "


" senão chega a morte
ou coisa parecida
e nos arrasta moço
sem ter visto a vida
ou coisa parecida
aparecida... "
(Belchior)




Acho que essa música da pra pensar um bocado na vida, não?

Acho que essa tristeza tem que sair do fundo do prato...
Acho que esses segredos tem que ser revelados...
Pra que a gente deixe de "coisa" e cuide da vida...

Porque senão chega a morte ou coisa parecida e nos arrasta moço sem ter visto a vida...

Vamos trabalhar muuuuito Thinspo Girls!



sexta-feira, 17 de agosto de 2007

ALIMENTOS: DÚVIDAS MAIS FREQUENTES


Olá! Hoje vamos repassar pra vocês as dúvidas mais frequentes que recebemos:
Verdura, legumes e frutas engordam?

Não. Quanto maior a quantidade consumida, maior será a queima calórica alcançada.

Álcool engorda?

Sim. O álcool fornece sete calorias por grama. Apenas duas calorias a menos que as gorduras. As calorias fornecidas pelo álcool são chamadas de calorias vazias, pois não possuem nenhum nutriente que o organismo necessite.

Porque se limita a ingestão dos sucos de laranja nos regimes de emagrecimento?

O suco de laranja é obtido do espremer as laranjas, ao fazer isso ficamos com o líquido e desprezamos o bagaço, onde estão as fibras, e o suco é rico em calorias. Opte pela fruta e coma-a junto com o bagaço.

É preferível baixar vários quilos rapidamente, ou ir baixando aos poucos?

É preferível baixar mais lentamente, para que o organismo tenha possibilidade de se adaptar às modificações do volume alimentar, o estômago possa adaptar-se à menor quantidade de alimento ingerido e para que se tenha tempo de formar novos hábitos alimentares. (Homeorrexis).

Quantos quilos deve-se perder em um mês?

Aconselha-se perder entre quatro e cinco quilos por mês, exceto em casos de pessoas que pesem mais de cem quilos, quando pode ser permitida a baixa de até dez quilos por mês.

Eu só como uma vez por dia, por que engordo?

Fazer apenas uma refeição por dia, quando esta refeição é muito intensa, pode engordar mais do que se a mesma quantidade de alimentos for distribuída em três ou quatro refeições.

Como reage o organismo ao No-food e Low food
O metabolismo basal (M.B.) é a quantidade de calorias que o indivíduo necessita diariamente, em repouso e em jejum. Quando o regime for MENOR do que o M.B., o organismo se defende, passando a diminuir ainda mais o seu gasto energético o que tomaria ainda mais difícil emagrecer.


O gás das bebidas gasosas é formador de celulite? Engorda?

A água, com ou sem gás, não engorda nem provoca celulite. O que engorda é o açúcar, por ser rico em calorias. A celulite é provocada pela variação de água e gordura nos tecidos. O engordar – emagrecer – voltar a engordar é que gera lesão dos tecidos subcutâneos, provocando a celulite.


Por que tenho comido fibras e não sinto nenhuma alteração no meu intestino?

Porque provavelmente você não está ingerindo água suficiente.

Tenho intestino preso, o que faço?

Todas as noites tome uma colher de sopa de farelo de trigo dissolvida em um copo d'água;
De manhã em jejum, tome um copo d'água gelada;

Tome café da manhã normamente.

Após 10 dias nesse esquema já deverá estar evacuando todos os dias.
A partir daí você passa a fazer o esquema dia sim, dia não, durante mais 10 dias e depois pára.
É de grande ajuda também a inclusão de frutas no café da manhã, em especial, o mamão.
O que fazer quando estiver tiver vontade de comer doces e/ou chocolate?

Tente saciar a vontade com frutas; ameixa é uma boa pedida. Se a vontade persistir e não tiver jeito, tome um copo de leite desnatado com uma colher rasa de chocolate em pó; faz o mesmo efeito.

quinta-feira, 16 de agosto de 2007




Estava navegando na net
e encontrei um post
que me deixou sem palavras,
mais direto impossível...






Fica aqui uma grande lição pra todo mundo...



"O que será que passa pela cabeça de todas vocês? Nossa eu não aguento mais visitar blogs com meninas magras, gordas, normais, e que ficam inventando doença, meu deus, tô revoltada com toda essa situação. A dois anos eu vivo chorando, louca, agora fico quebrando minha cabeça pra entender o porque de tudo isso, sou obrigada a tomar medicação controlada, deixei de viver minha vida, porque fiquei doente, e quando percebo a quantidade de pessoas que estão indo atrás dessa infeliz vida, me choca. Realmente a humanidade continua cada vez mais burra, me desculpe novamente, como alguém pode falar isso "eu quero ter anorexia". PUTA MERDA VELHO, a onde vocês enfiaram o amor propio? Antes eu pudesse ter escolhido, antes tivessem me avisado, antes eu soubesse o que era MIAR, não idiotas, quando tudo começou eu simplismente vomitava, não existia NF, existia ter medo de comer, entende que vocês estão marginalizando uma DOENÇA? Perdi uma amiga, vou perder quantas mais pra me curar? nenhuma! Quero minha vida denovo, e por favor, quem quiser nunca mais falar comigo pode faze-lo, mas não vou mais aturar menininhas ridículas querendo contrair anorexia/bulimia como se fosse um vírus do HIV.OK? ESTAMOS ENTENDIDAS?" (http://apologgy.blogspot.com/)


Essas palavras demonstram muita coragem de alguém que está tentando se descobrir, se achar e ser simplesmente o que é.

Essa garota parece ter compreendido as sábias palavras de Shakespeare: " Um dia você aprende que que não deve se comparar aos outros, mas com o melhor que se pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser e que o tempo é curto... "

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO!


O que essa mulher tem nas mãos?

uma tentação?

um fruto proibido?

um inimigo?

um pecado?

uma maçã envenenada?

um alimento?










Quem sofre de T.A (transtorno alimentar) sabe exatamente do que eu estou falando...

O alimento nunca parece ser o que realmente é...

Ora parece um objeto tentador símbolo de um pecado a ser evitado a qualquer custo;
Ora parece um inimigo a ser destruído ou canibalisticamente devorado...

Se você parar pra olhar, vai conseguir perceber nitidamente que o alimento está deslocado do seu significado real e passa a assumir inúmeras formas simbólicas que são interpretadas de maneira completamente equivocada pela mente.

E o que isso quer dizer?

Quer dizer que aquilo que está sendo visto pelos olhos está sendo percebido pela mente como outra coisa; e você nem desconfia que possa ter algo errado...

E sabe o que é mais interessante? É que quase todas vocês tem a percepção de que a compulsão é uma coisa doente e que a cura dessa doença é a anorexia...

Mas o que é uma sem a outra?

Será que vocês ainda não perceberam que uma não existe sem a outra? Que elas são complementares? Que a anorexia está num extremo e a bulimia noutro?

E o mais importante: a anorexia também É UMA COMPULSÃO!

Qual a diferença entre ser anoréxica e ser compulsiva? Quantas garotas têm problemas com compulsão e fazem um esforço sobre humano para se tornarem anoréxicas. Mas qual a diferença? A solidão é a mesma, a dor é a mesma, a tristeza é a mesma, o pânico é o mesmo... A vida continua girando infinitamente em torno de comer, não comer...

Vocês entendem isso?

Todas vocês, sem exceção, vêem o T.A como "O problema"
...

Para que vocês entendam isso melhor eu vou compartilhar com vocês o pensamento de algumas Thinspo Girls sobre isso:

“Eu penso que tenho a minha vida num impasse. Que só a vou viver verdadeiramente quando resolver o problema com a comida...”
“Acho que já vivi anos com um T.A para ter fé que é algo curável...”
“Não vejo como sair dessa...”
“eu faço esta vida de compulsões/dietas desde a puberdade, 11 ou 12 anos, já é minha identidade...”

O que eu vou dizer agora talvez vá parecer muito estranho num primeiro momento...

Nenhuma de vocês (eu disse, NENHUMA) tem problema algum com comida! A comida não é, nem foi, nem será nunca o problema...!

Estranho, não?

É por isso que o Transtorno Alimentar parece não ter cura, simplesmente porque ele NÃO É O PROBLEMA! É como um carro que está com a embreagem quebrada e você tenta por gasolina pra ver se ele funciona... Claro que não vai funcionar!

Transtorno Alimentar é apenas um nome “bonitinho” para algo que “eles” não sabem o que é. É como a ponta de um iceberg que é identificado apenas como um pedaço de gelo flutuante... Vocês vêem o perigo que isso representa?

Vocês podem estar se perguntando: “mas se eu não tenho um T.A, o que eu tenho? O que é que está dentro de mim que faz com que eu perceba a comida como algo tão ameaçador, tão mortífero e, ao mesmo tempo, tão loucamente desejado e evitado?

Esse é o impasse! Isso é o que tem que ser descoberto! Quando você diz que tem anorexia e ou bulimia, você pára de procurar, você deu um nome, então você fica “resignado” e isso se torna a sua identidade...

"Ser ou não ser, eis a questão"...

E aí? Você acha que VOCÊ é isso?

NÃO, VOCÊ NÃO É ISSO! Isso é muito pouco pra definir quem você é. É como se a anorexia/bulimia fosse o sujeito e você o objeto! Vocês compreendem o absurdo disso?

É PRECISO QUE VOCÊ ENTENDA QUE nós nunca "somos" coisa alguma. Nós sempre estamos. Estamos doentes, estamos sadios, estamos jovens, estamos dormindo, estamos atentos, estamos felizes e assim por diante. O que "está" pode ser mudado, mas o que "é" não pode. Essa concepção "quanto a "estar assim" e não "ser assim", por si só, já dá uma idéia de mutabilidade, já dá uma esperança...

Quando você diz: "eu estou acima do peso" é muito diferente de dizer "eu sou gordo". Quando usamos o verbo "ser", definimos uma condição de vida que independe de nós. Nós nos tornamos objeto dessa coisa e deixamos de ser sujeito.


Então, se não é nada disso que antes pensávamos que era, o que é então?

O que está dentro de você, esse algo que é inominável, se faz passar pela comida, mas ele não é a comida! Ele não está fora, está dentro! Vocês entendem isso?

E aí vocês passam a entender porque não estamos focados em comida no nosso trabalho, ela faz parte, mas não é o principal!

O principal é descobrir o que é ou quem é esse inimigo, esse fantasma, que mora dentro de cada uma de vocês e que se faz passar por “comida”...

Está aberta a temporada de caça a fantasmas! E podem se preparar por que vem chumbo grosso aí!

E aí, vocês vão encarar ou vão correr?

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Calmaê...


Tô postando já...

domingo, 12 de agosto de 2007

TEMPO DE SER


















Hoje é domingo! Vou dar uma folga pra vocês e vou falar de outra coisa...

Vou compartilhar com vocês um texto que eu escrevi pro jornal daqui no tempo em que eu era cronista de uma página chamada Zen% (eu falei cronista e não jornalista, tá?). Esta é uma forma de vocês me conhecerem um pouco melhor, saber um pouco da minha visão de mundo... Ok? Espero não enfadar vocês!

"Madrugada de domingo... Último dia para enviar o texto e nenhuma idéia na cabeça sobre o que escrever. Mais uma vez resolvi confiar na espontaneidade do processo criativo e na capacidade recém adquirida de lidar com a imprevisibilidade. É com um misto de prazer e excitação que me permito experimentar o vazio da tela do computador e também de mim mesma.

Essa afirmação pode parecer estranha, já que a maioria das pessoas tende a pensar no vazio como uma coisa negativa. Quanto a mim, costumo contemplar o vazio como um espaço imenso de possibilidades. Mas nem sempre foi assim. Já houve um tempo em que ter controle sobre tudo era o mais importante e viver a vida era uma questão de preenchê-la com coisas, muitas vezes, absolutamente inúteis, numa tentativa de fugir desse vazio. É incrível como nos permitimos viver sem sequer nos dar conta disso.

Quando nascemos, apenas somos. É por isso que as crianças são tão espontâneas e autênticas. No entanto, aos poucos, essa espontaneidade vai sendo substituída por condicionamentos impostos pelos pais e a autenticidade cede lugar para os padrões “aceitáveis” ditados pela sociedade. Para alguns, isso pode trazer uma estranha sensação de conforto: é... já que é assim mesmo, não há nada que possamos fazer!

Longe disso! Resignar-se assim é morrer lentamente. Não estamos condenados a permanecer dessa forma. A única condenação a que estamos sujeitos é a condenação de ser livre. Diferentemente das plantas e dos animais, a humanidade está num processo constante e contínuo de construção de si mesma. Ao mesmo tempo que isso é libertador, nos traz a incrível e instigante responsabilidade sobre o que vamos nos tornar.

Pense comigo, se arrancarmos todos os rótulos que nos foram colocados pela sociedade, pelos pais e por nós mesmos que, supostamente, fazem de nós o que somos, o que sobra? Ora, sobra um espaço fantástico para sermos o que somos em essência mas que, por preguiça ou cansaço nem sempre estamos dispostos a descobrir.

O tempo que nos é dado é muito curto para sermos todas as coisas que poderíamos ser se não tivéssemos tanto medo. Ao mesmo tempo, ele é incrivelmente longo para as poucas coisas que nos dispomos a experimentar. Só com um ato de vontade consciente e uma pitada de audácia é que podemos fazer o nosso “destino” se cumprir verdadeiramente. É por isso que a questão das escolhas se torna tão fundamental naquilo que vamos nos tornar.

O que você escolheu para você hoje, ser feliz ou infeliz? É inacreditável, mas essa simples escolha ao acordar faz toda a diferença do mundo no que vamos experimentar neste dia. Eu posso escolher ficar preocupada por não ter nada o que escrever, ou relaxar o suficiente para que as palavras fluam. Se as palavras não fluírem, eu posso escolher me sentir incompetente ou simplesmente acreditar que hoje não tenho nada a dizer. Se eu não tiver nada a dizer, eu posso escolher me calar ou falar sobre isso...

Enquanto faço minhas escolhas, o dia amanhece... lindo, cheio de possibilidades! Vou pra rua, ver o mar, sentir a brisa fria do dia que começa e contemplar o espetáculo que o sol nos proporciona de graça toda manhã. Vou tentar fazer desse dia o melhor que eu puder e talvez, para isso, eu só precise ser eu mesma, sem rótulos, e nada mais. "

sábado, 11 de agosto de 2007

AGRADECIMENTO







Sempre fomos livres
nas profundezas
de nosso coração,
totalmente livres!
Livres

em nossa alma
e espírito!






Tiramos o final de semana para conhecer todas as meninas que enviaram email para o Thinspoaction!
E são muitas!
E são tantas histórias de vida!
Foi muito emocionante conhecer essas histórias uma a uma...
Gostaria de agradecer publicamente a cada uma dessas meninas que tiveram a coragem de aceitar o chamado...
Que mesmo com medo se atiraram no mar...
Que apesar de tudo que a vida vem aprontando ainda tem a capacidade de acreditar, de confiar e de tentar ser feliz!
Neste trabalho tenho uma sensação muito nítida de que aquilo que eu dou é muito menos do que tudo o que vocês me dão...
Portanto, saibam que estou em débito com cada uma de vocês...

Gostaria de fazer alguns agradecimentos especiais:

À Andréia eu agradeço pela persistência em bater mesmo sabendo que a porta estaria fechada e por conseguir fazer com que ela se abrisse... e assim me dar a oportunidade de conhecê-la!

À Mariana, eu agradeço pelo esforço de tentar não fazer esforço nenhum... Agradeço também por ter ficado até uma da manhã me “escutando” no msn...

À gata bonita, eu agradeço por todos os coments e pela total entrega a que se permitiu no questionário...

À Ana eu agradeço a paciência em responder todas as insistentes perguntas...

À Ju e à Vi, agradeço por terem sobrevivido...

À Miss e a Marina por todos os contatos calorosos e por toda a ansiedade em começar o trabalho...
À Lana, por ter confiado em compartilhar sua história comigo...

Não vou poder agradecer a todo mundo aqui no blog porque não teria espaço suficiente...

















-
A todas as Meninas Thinspo,
fica aqui o meu
muito obrigada
por terem se despido
totalmente
para este trabalho!

PS.: Ah! E Obrigada também pelos dois quilos que eu perdi desde o início do projeto!





sexta-feira, 10 de agosto de 2007

VOCÊ E O LUGAR ESTREITO – PARTE II




















ATÉ QUANDO?
______________________________

Como vimos na postagem anterior, os judeus ficaram encurralados entre o mar e o exército do faraó. O que acontece depois disso?

O rabino Bonder nos conta:

Um homem chamado Aminadav, que não sabia nadar, começou a adentrar no mar. Este, no entanto, não se abriu num primeiro instante. Somente quando o homem estava com a água no nível do nariz, as águas se abriram.

Diferentemente do acampamento que queria se jogar no mar em desespero, Aminadav compreende a recomendação divina que dizia: Marchem! O futuro só existirá se eles marcharem. Aminadav é o primeiro compreender e a fazer isso, então, ele se lança no mar até onde “não dá mais pé”.

Lembre-se: Enquanto os pés ainda estiverem tocando no fundo, você ainda estará estacionado em um dos acampamentos. Entende?

É esse profundo ato de confiança em si e no processo da vida que garante a passagem pelo “vazio”. Saber entregar-se às contrações do lugar estreito e atravessar esse vazio é o que propicia o nascimento e só assim conseguimos ir rumo ao lugar amplo. O processo como um todo é tremendamente assustador mas, ao mesmo tempo, é incrivelmente mágico!

Neste exato momento

estamos convidando

você

a MARCHAR conosco!






Marchar é o ato simbólico que indica a intenção de sair desse lugar estreito. É possível que você sinta tanta medo que queira desistir... Mas para onde ir? Você já experimentou a escravidão e já experimentou , provavelmente, os quatro acampamentos com todas as dores e angústias de cada um deles...




Só resta agora
a passagem
pelo mar...


Aqui no blogs vamos abordar diversos temas que ajudarão a fazer essa travessia:

Mente

Corpo

Emoções

Alma


quinta-feira, 9 de agosto de 2007

VOCÊ E O LUGAR ESTREITO







ATÉ QUANDO?


_________________________________________________________

Muitos já ouviram falar da seguinte história:


“O povo judeu ficou escravo no Egito por dois séculos. Um dia, por orientação divina, Moisés pediu ao faraó que libertasse o seu povo. O pedido foi negado e só após terem sido lançadas 10 pragas é que o Faraó permite a saída dos judeus do Egito. Conta a história que o Faraó se arrependeu de sua decisão e decidiu enviar seu exército para destruí-los. Quando viram o exército do Faraó se aproximar, eles ficaram apavorados. Foi somente quando estavam prestes a ser aniquilados que o Mar Vermelho se abriu, permitindo a passagem do povo e deixando o exército do Faraó para trás".


Bem, essa é a história que todo mundo conhece...


O que eu vou compartilhar agora é uma adaptação de uma história contada por um rabino chamado Nilton Bonder.


Esta história tem um interesse particular para nós pelo aspecto simbólico que ela carrega. Ela é um símbolo de um movimento ativo em busca de liberdade e serve para exemplificar os processos humanos que tentam realizar o mesmo movimento.


Nessa metáfora que iremos fazer através dessa história, o Egito é símbolo de um lugar que já foi bom mas que deixou de ser. É interessante dizer que a origem hebraica da palavra Egito (mitsraim) significa “lugar estreito”...


Se você parar pra olhar vai perceber que todos nós, um dia, nos confrontamos com lugares que se tornam estreitos e nele temos a nítida sensação de NÃO cabermos mais. Esses lugares antes podem até ter servido para o nosso crescimento e desenvolvimento mas hoje se tornaram estreitos e limitadores.


Nesse processo de saída do lugar estreito os judeus esbarraram com um limite real e profundo: o mar!


Os judeus estão encurralados entre o exército mais poderoso do mundo e o mar. E eles têm medo. O que fazer então?

Semelhante ao que aconteceu com os judeus, toda vez que tentamos sair de um lugar estreito nos sentimos encurralados, temerosos, duvidosos quanto à possibilidade de falhar. Com o nosso corpo é a mesma coisa, ele não gosta de sair, de mudar, ele teme seu aniquilamento total. No entanto, a percepção de que o lugar vai ficando cada vez mais estreito e desconfortável nos convence que não existe outra saída. Mas o corpo duvida, afinal, ele não conhece nada diferente de si mesmo.

É a nossa alma que impõe ao corpo essa caminhada que acaba por se transformar num enfrentamento de algo aparentemente intransponível. E o corpo, por sua, questiona a sensatez dessa alma.

Encurralados diante do mar, o povo judeu se divide em quatro acampamentos, cada qual com um comportamento diferente do outro. Fazendo um paralelo entre o povo judeu e nós mesmos, veremos que assumimos também quatro posturas diferentes diante da vida.

PRIMEIRO ACAMPAMENTO

O primeiro acampamento quer voltar. Se arrepende de ter saído do lugar estreito. Este lugar de hábito é tão poderoso que o acampamento começa a achar que foi uma ilusão ter sido levado pelo sonho de sair. Para este acampamento tudo estava errado desde o início da proposta. Voltar ao lugar estreito pressupõe uma vida estreita em conformidade com a realidade e as limitações que esta vida neste lugar impõe mas não parece haver outra saída...

SEGUNDO ACAMPAMENTO


O segundo acampamento quer lutar. Lutar, por sua vez, é a crença que se poderá fazer do lugar estreito o lugar amplo. Se o lugar estreito é poderoso para impor-se como realidade, o que resta é desafiá-lo, como se a estreiteza fosse externa e não um processo de interação entre o mundo externo e o interno.

TERCEIRO ACAMPAMENTO
O terceiro acampamento quer jogar-se ao mar numa atitude de desespero. É a entrega do corpo pela percepção de que o passado não o define mais e nem há a confiança num futuro que possa redefini-lo.. Desse desespero surge a resignação de que, apesar de não se voltar ao lugar estreito, jamais se poderá atingir um novo lugar amplo.

QUARTO ACAMPAMENTO

Neste último acampamento eles apenas oram. Numa aparente resolução do impasse o acampamento pede que a realidade seja compassiva com ele de modo a permitir que o novo lugar não exija dele uma nova definição de si. O novo lugar é o velho com a falsa aparência de que não é estreito.

Você pode estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com emagrecer, ser perfeito, e se tornar uma thinspo, não é mesmo? E a resposta é: TUDO!

Vejam bem, todas vocês já há bastante tempo vem se sentido encurraladas, vem se sentindo temerosas, sem controle, perdidas, sem saber o que fazer. Qual a postura de cada uma de vocês diante disso? Em qual acampamento você acha que está estacionada?

Fazendo a analogia do acampamento com o corpo, o que vemos no primeiro acampamento é que o corpo perdeu a fé... Acredita que o fardo é esse mesmo: “ser escravo dos sintomas”, sempre foi assim, por que acreditar que poderia ser diferente? Aí ele desiste e retorna para a realidade que, apesar de ser dolorosa, já se está acostumado a ela. E entra de novo no velho interminável ciclo: compulsão, vergonha, arrependimento e culpa...

No segundo, há uma tentativa de luta, de enfrentamento dos sintomas. “Se é essa a realidade, é assim que ela tem que ser enfrentada”, dizemos pra nós mesmos. No entanto, o único enfrentamento é o da realidade externa: comer, não comer; miar, não miar; ceder aos impulsos ou não ceder. Em todos esses casos desconsidera-se completamente a realidade interna. Desconsidera-se não só como a realidade interna influencia em todos esses aspectos, como também desconsidera-se como ela (a realidade interna) pode interagir para mudar essa realidade.

No terceiro, há o desejo de desistir de tudo, há a desesperança. O desespero toma de conta e se perde a referência de quem se é e nem se tem fé no futuro que o aguarda. Por achar que nunca vai conquistar um lugar amplo decide-se definhar e morrer.

No quarto, há o auto-engano que força a crença de que algum tipo de mudança ocorreu e que nada mais precisa ser feito. Finge-se acreditar que o lugar estreito é o melhor do mundo. Quem já não viu as exaltações de vários blogs sobre como a “mia” é maravilhosa, como a “ana” é sua melhor amiga? Será isso verdade, ou essas pessoas estão nesse quarto acampamento e não querem se mover?

A todos os leitores deste blog, estamos propondo um E.P (Exercício de Posicionamento) e gostaríamos que comentassem a partir das seguinte questões:


"ANALISANDO ESSES QUATRO MOVIMENTOS, ONDE VOCÊ ACHA QUE ESTÁ ACAMPADO?
COMO VOCÊ SE COMPORTA QUANDO SE VÊ ENCURRALADO ENTRE UM VERDADEIRO EXÉRCITO DE IMPULSOS QUE QUEREM ESCRAVIZÁ-LO E O MAR DE SINTOMAS QUE O ATINGEM?"



quarta-feira, 8 de agosto de 2007

ANA/MIA X THINSPO


A QUEM

PERTENCE

O SEU

CORPO?


À Ana?

À Mia?
À Compulsão?

A quem?







A todas as Anas e Mias:

É provável que você ainda não tenha vivido 20% do total de vida que lhe cabe...

Apesar disso,
olhe para os estragos
que você tem feito no seu corpo... Isso é ser thinspo?

A quem pertence o seu corpo hoje?
É provável que nem mesmo você saiba
Certamente a você ele não pertence mais...
De alguma forma ele foi roubado...
O espelho lhe confirma isso...
Ele não a reconhece mais...
Você já não sabe mais quem é...
E enquanto vai se perdendo
submete seu corpo às piores torturas...
Ora privação intensa...
Excessos de nada...
Ora invasão inominável...
Excessos de tudo...
E você vai perdendo o controle...
Cada vez mais perdendo o controle...
E cada vez que perde o controle
Submete novamente o seu corpo a novas torturas
cada vez mais intensas...
cada vez mais cruéis
Num ciclo interminável de terror e dor

A todas as verdadeiras Thinspo:










Por que precisamos trabalhar a mente e não somente o corpo?

"Porque o corpo é uma arma cuja eficiência depende da precisão com que se usa a inteligência".
"Porque conhecer-se é dominar-se, dominar-se é triunfar".


E aí, o que você vai escolher?

O "Curto caminho longo"?

ou o "Longo caminho curto"?


Se você optar pelo "Longo caminho curto", entre em contato com a gente!
thinspoaction@yahoo.com.br

terça-feira, 7 de agosto de 2007

VOCÊ ESTÁ NUMA ENCRUZILHADA?




QUAL



CAMINHO



VOCÊ VAI



ESCOLHER?








"Certa vez um rabi viajava e deparou-se com uma encruzilhada. Ele viu um menino e lhe perguntou qual era o caminho para a cidade. O menino respondeu apontando: este é o caminho curto e longo e aquele é o caminho longo e curto. O rabi então tomou o caminho curto e longo e acabou se deparando com inúmeros obstáculos intransponíveis e acabou voltando para o ponto exato onde estava antes. Chegando lá, encontrou novamente o menino e reclamou: você não disse que esse era o caminho curto? O menino então respondeu: é verdade, mas eu também avisei que era longo!” (Alma Imoral - Bonder)

Nas trilhas da vida o que você tem feito quando se depara com uma encruzilhada?


Se você olhar bem vai reparar que, na maioria das vezes, tem seguido o caminho curto. E o que você tem experienciado? As mesmas coisas de sempre,não é mesmo? Ou seja, o caminho mais curto tem te levado ao mesmo lugar e com custos muito elevados...

No seu dia a dia, nas suas escolhas, será que você consegue perceber qual o caminho curto que se revela longo e qual caminho longo que se revela curto? A percepção dessa diferença entre os caminhos é fundamental para que você possa fazer escolhas que te levem realmente a algum lugar e possam apontar, por exemplo, para novos inícios de relações de trabalho, de amor, de amizade e quem sabe até uma nova relação consigo mesmo.


Você está numa encruzilhada?

Se a resposta for sim, você vai precisar de muita coragem para escutar esse "menino da encruzilhada" que poderá surgir diante de você sob diversas formas, até mesmo sob a forma de um simples blog, quem sabe...

Se você tem algum tipo de transtorno alimentar, você deve saber exatamente o que é estar numa encruzilhada, não é mesmo? E o que escolha você tem feito? O que representa a “ana” e a “mia” na sua vida, o curto caminho longo? Ou o longo caminho curto?

Quando você faz No-food, você está percorrendo que caminho, o curto ou o longo? Ou será que o no-food tem te levando examente para o mesmo lugar? Algo do tipo: no-food, compulsão, bulimia, no-food...

Há quanto tempo a sua vida tem girado em círculo em torno da seguinte rota: compulsão, vergonha, arrependimento e culpa? Há quanto tempo você vem trilhando exatamente esse caminho? Quanto tempo mais você acha que agüenta? Quanto tempo mais você acha que tem?

Talvez você esteja vivendo um momento em que a escolha do caminho represente algo mais do que simplesmente uma opção de acesso, você pode estar vivendo uma situação que represente a sua própria sobrevivência.




Que escolha você vai fazer?

Nós estamos apontando para o longo caminho curto...

Vai encarar ou vai correr?

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

ESPELHO, ESPELHO MEU...



Olhem para esta imagem!




Qual a imagem real?






A mulher


ou a sombra?





Olhando com atenção, dá pra perceber claramente que há um truque, que há uma montagem! Não é mesmo?

A sombra não reflete exatamente aquilo que a mulher é realmente...

A imagem está distorcida, está gorda!

Basta olhar pra desconfiar que a imagem projetada na parede é enganosa...

Por que é tão fácil perceber esse engano olhando para uma foto e é tão difícil perceber isso quando você se olha no espelho?

O espelho vem enganando você há tanto tempo e você não tem percebido...


Um dia, num tempo qualquer, é possível que você tenha sido gordinha...



Esta podia ser a sua imagem...

Muitas vezes, uma imagem pode ficar fixada a um período muito difícil da infância...





Hoje, porém, você já não é mais uma criança. É uma adolescente típica com, por exemplo, 1,57, pesando 55 quilos. Mas, sem saber por que, você se sente infeliz.
Então você decide emagrecer... Você imagina que emagrecendo vai poder, finalmente, ser feliz.
Aí você emagrece 05 quilos e continua se achando gorda...
Você então emagrece 10 quilos. Você está com 45 kg, mas ainda se sente gorda...
Então você decide emagrecer só mais um pouco, só mais 05 quilos, afinal, depois disso, você atingirá a “perfeição”, não é mesmo?
Você está com 40 quilos, mas o seu espelho garante pra você que não! Você está GORDA!” É o que ele diz...
E você quer mais! Você já não consegue parar... Você perde mais 05 quilos!
Você está com 35 quilos e, que incrível, o espelho repete a mesma mensagem: Você está GORDA!




Apesar de tudo, em nenhum momento, você desconfia do espelho...

O espelho tem mentido pra você todo esse tempo e você não tem percebido...

O que temos visto, em TODOS os blogs, sem exceção, são pessoas extremamente magras, porém, infelizes. Não é verdade?

Por que isso acontece? Por que todas essas meninas trabalham apenas com um elemento: O corpo...


É claro que isso não vai funcionar porque a mente está vazia! Ela não vai poder te avisar quando parar porque já não vai mais existir mente pra isso, entende?

O que estamos propondo é uma reconciliação com o espelho. É fazer as pazes com a sua imagem!

Para ser um Thinspo de verdade, é preciso um trabalho conjunto entre mente e corpo, senão, o máximo onde você vai chegar é numa anorexia ou numa bulimia. Se isto está bom pra você, siga em frente. Te encontro no céu...

Mas se isso não está nada bom e você anda se sentindo frustrada com o seu esforço, então continue nos acompanhando aqui!



domingo, 5 de agosto de 2007

SACRIFICAR-SE PRA QUE?


Este post é dedicado,

especialmente,

a todos aqueles que

querem mudar!

Que querem,

de verdade,

fazer alguma coisa

por si mesmos

além de lamentar-se!





Vocês já pararam pra ver com que freqüência fazemos coisas que, de alguma forma, acreditamos existir uma virtude ou um ganho por conta de condutas ou posturas que representam sacrifícios ao nada?

Vocês já pararam pra pensar em quem precisa de nossas restrições ou de nossa abstinência?

Então, pare agora e verifique com você mesmo:

Quantas coisas você já fez ou deixou de fazer porque se preocupou mais com o que os outros iam achar do que com o seu próprio bem-estar?

Ainda mais, “quantas pessoas você poderia ter tirado pra dançar na vida e não o fez por ofertar sacrifícios ao nada?” Sacrifícios ao deus da timidez, ao deus da vergonha, ao deus do medo de ser rejeitado?

Quantas vezes você deveria ter dito NÃO! E o que você fez, no lugar disso, foi se desgastar tentando inventar pra si virtudes que representavam unicamente uma oferenda ao deus da expectativa, ao deus da cobrança, ao deus da culpa e assim por diante?

Por quanto tempo mais você acha que agüenta continuar temendo o que os outros irão dizer ou pensar a respeito de coisas que, simplesmente, dizem respeito só a você?

CHEGA! NÃO MAIS! NUNCA MAIS!

Agora prestem atenção! Enquanto cedemos aos desejos menores do nosso corpo, estamos sacrificando esse corpo ao NADA!

Enquanto fazemos isso aprisionamos a nossa alma, não essa alma imortal como muitos acreditam, mas a alma como parte do nosso corpo que não se conforma com esses sacrifícios vazios a que esse corpo é submetido de forma tão cruel.

A alma é a verdadeira responsável pelos atrevimentos, ousadias, riscos e transgressões!

Há quanto tempo você não se arrisca, há quanto tempo você não ousa? Há quanto tempo sua alma não é livre? Há quanto tempo esse corpo mantém a sua alma refém?

Você pode estar se perguntando: Mas o que libertaria essa alma? A morte?

NÃO, CLARO QUE NÃO! A única coisa que liberta verdadeiramente a alma é uma vida vivida em sua plenitude, sem arrependimentos.

Pois é, talvez até hoje, até ler este texto, você achasse que fazia muita coisa ao conseguir, por exemplo, 03 dias de no-food, não é mesmo? Quanto auto-engano, não? Tudo sacrifício ao nada!

CHEGA DE SER PALHAÇO! Chega de fazer malabarismos pra atender necessidades que não são suas! Chega de colocar a vida na corda bamba! Agora é mudar pra valer! Aparências nunca mais!


Sejam benvindos todos aqueles que querem fazer parte deste seleto grupo!

O grupo daqueles que querem mudar algo mais que somente o corpo!

E lembrem-se: " O corpo é uma arma cuja eficiência depende da precisão com que se usa a inteligência".








sábado, 4 de agosto de 2007

SAIR DO ÚTERO...


Olhem novamente para esta foto...


O que vocês vêem?


Olhem para o espelho
que vocês verão a mesma imagem...


A imagem é de alguém que não é mais uma criança, que está em pleno processo de transformação para tornar-se uma mulher mas que, no entanto, ainda se sente dentro de um útero...


O que você via quando estava dentro do útero? Nada! Lá havia somente o vazio, a solidão...


Não é isso o que você sente hoje?


Você viveu confortavelmente no útero por nove meses. Então, entenda: NUNCA MAIS você terá tanto conforto na vida. Nunca mais!. Você estava flutuando num líquido morninho, com todas as necessidades preenchidas, sem responsabilidades, nenhuma preocupação. Você estava apenas dormindo profundamente e sonhando. Você estava todo protegido, seguro. Tudo estava acontecendo por si mesmo e nenhum esforço era necessário.


Um dia, de repente, todo este mundo é destruído. Você é arrancado desse útero. Você estava conectado com sua mãe... e, então, você é desconectado. Você tem de passar através do canal vaginal, que é um canal muito, muito estreito. A criança sofre imensa dor. A dor é tal que ela fica inconsciente.


Há um mecanismo de funcionamento na mente: sempre que algo se torna insuportável, você é simplesmente apagado pela mente para que não precise sentir. De fato, chamar uma dor de insuportável é existencialmente incorreto porque, sempre que uma dor se torna não suportável, você fica inconsciente. Deste modo, você nunca chegou a sentir dor insuportável – se passou por ela em consciência, ela foi ainda suportável. Uma vez que ela chega ao ponto no qual se torna insuportável, imediatamente, todo o mecanismo da consciência é desligado.


De um certo modo, todo mundo sabe disso. Agora, o que nem todo mundo sabe é que na adolescência muitos passam exatamente por esse mesmo processo de parto. Para alguns, o parto é natural. Para outros, o parto é através de fórceps! Ou seja, se você sente que está dentro desse "utero", quer sair, e não consegue, você vai precisar ser arrancado daí de dentro e é logo!


Muitas garotas passam por isso. Apesar de já terem 13, 14, 15, às vezes 20 anos, ainda se sentem como criancinhas precisando ainda do útero da mamãe... Se recusando a crescer...
Então, diante dessa realidade bisonha na qual você está literalmente presa, o que fazer? Será que você vai precisar sair desse "utero" a forceps?

Que tal tentar encontrar o poder necessário para romper essas correntes que ainda te mantém nesse "útero"? Correntes imaginárias tão fortes que produzem uma falha psíquica cuja primeira conseqüência é a perda do prazer de existir e que depois vem seguida de inúmeras sensações de vazio.

Não é isso que você tem visto por aí: adolescentes que, de tão tristes, se esvaziam a ponte de morrer de fome?

Essa dor “insuportável” que tem perturbado você nos últimos meses faz com que sua mente tente te apagar para que você não a sinta. Então, para que você não sinta a sua mente está tentando “desligar” a sua consciência. E se você permite isso, você vai estar tão próximo de um vegetal quanto possível... Mas ainda é cedo para entrar nesse assunto...

Bem, por hoje chega de blá, blá, blá...

Nos próximos capítulos vocês entenderão um pouco melhor sobre tudo isso..

Não esqueçam da sexta Regra:

“Conhecer-se é dominar-se, dominar-se é triunfar.

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Poder, Disciplina, Auto-confiança



Este BLOG foi criado pra quem sabe o que quer!


EMAGRECER é sua palavra de ordem?

PERDER PESO é algo que não sai da sua cabeça?

Se tornar PERFEITA tem sido sua obsessão?




Muitas de vocês tem tentado alcançar em vão uma meta de perfeição e para isso vocês tem feito sacrifícios desnecessários... A idéia aqui é trabalhar corpo e mente para que, juntos, possam atingir o equilíbrio necessário para conquistar suas metas.

Estamos dispostos não só a repassar conhecimentos a respeito de alimentação saudável mas também trazer diversos assuntos que ajudem a compreender o que é anorexia/bulimia.

Estamos interessados em genuinamente descobrir quem é você. Aqui nos blogs as pessoas se definem como "anas" e "mias", mas, de verdade, quem é você? Antes de ser ana ou mia com que você sonhava?

Aqui no blog não prometemos a felicidade. Aliás, vão logo aprendendo que felicidade é algo que NÃO existe! Mas é possível sim descobrir novas formas de ser além da "ana" ou "mia"

Para atingir os nossos objetivos, será necessária a compreensão de alguns preceitos usados nas artes marciais:

A Thinspo que teme perder já está vencida.

A perfeição nunca vai ser alcançada, no entanto, ela está mais próxima de quem a procura com constância, sabedoria e, sobretudo vontade.

Quando tiver a certeza de que não sabe nada, terá feito seu primeiro progresso no caminho da perfeição. Então, neste momento, ESQUEÇA de tudo o que sabe!(Todas essas dietinhas, todos os conceitinhos ultrapassados de ana/mia e etc.)

Não seja Presunçoso. Nunca se orgulhe de haver vencido a compulsão, a compulsão que venceu hoje poderá derrotar-te amanhã. A única vitória que perdura é a que se conquista sobre o próprio desejo.

A Thinspo não se aperfeiçoa para lutar contra seus desejos, luta para se aperfeiçoar e ter o domínio de si.

Conhecer-se é dominar-se, dominar-se é triunfar.

A verdadeira Thinspo é a que possui inteligência para compreender aquilo que lhe ensinam e paciência para ensinar o que aprendeu aos seus semelhantes. Assim como nós estamos fazendo agora!

Saber cada dia um pouco mais e usá-lo todos os dias para o bem maior de se estar mais perto dos seus ideais, esse é o caminho das verdadeiras Thinspo.

Praticar Thinspo-action é educar a mente a pensar com velocidade e exatidão, bem como o corpo obedecer com justeza. O corpo é uma arma cuja eficiência depende da precisão com que se usa a inteligência.