sábado, 17 de novembro de 2007

SÍNDROME DE ESTOCOLMO - PARTE 1


Estamos em 1998...

Natasha tem 10 anos. Ela está a caminho da escola...

Ela ainda não sabe, mas, sua vida vai se modificar drasticamente...


Uma ida rotineira à escola foi transformada no mais longo sequestro da história...

Natasha foi agarrada por um homem, colocada em um furgão e levada para um cubículo, construído embaixo de uma garagem, onde permaneceu refém por 08 anos. Só ela sabe as atrocidades que sofreu nesse cubículo...


O que essa história, digna de uma filme de terror, tem a ver com qualquer um de nós?

O que tem a ver com quem sofre com anorexia e bulimia?

sábado, 3 de novembro de 2007

DIÁRIO DE UMA ANA/MIA - PARTE 2


A quem pertence o relato do post anterior?
De que blog foi retirado?
Quando foi escrito?
O que vocês acham que envolvia todo o ritual com a alimentação, a busca de um corpo perfeito?
Vocês acham que o poder da mídia ou a pressão da sociedade por corpos "perfeitos" é capaz de criar um fenômeno como a anorexia e a bulimia?
.

O texto que vocês leram no post anterior foi escrito por uma garota de 20 anos. Diferentemente do que vocês imaginaram, ele não foi retirado de nenhum blog, até porque quando ele foi escrito não existia nem mesmo computador. O posto anterior foi retirado de um diário escrito em 1916. A garota em questão sofria com a anorexia e a bulimia desde os seus 15 anos, provavelmente a mesma idade que vocês tinham quando começaram os mesmos sintomas, não é mesmo?

Nessa época não existia mídia, pressão da sociedade, modelos magérrimas para servir de inspiração, televisão, internet, blogs e nada que pudesse influenciar qualquer comportamento que pudesse criar uma pressão interna para gerar uma relação tão obsessiva com a alimentação.

Se não havia nada que pudesse alterar ou influenciar tão drasticamente esse comportamento, por que passados mais de 90 anos da escrita deste diário tantas pessoas se identificaram com ele como se tivesse sido escrito hoje?

Vocês não desconfiam por que?

A resposta é simples: Porque não se trata de um "Lifestyle", não se trata de uma escolha por um "modo de vida" pura e simplesmente. Se fosse assim, seria fácil entrar assim como sair. Quem conseguer sair de uma Ana e uma Mia depois do processo instalado? Que Ana ou Mia consegue emagrecer, se olhar no espelho e dizer: "agora eu estou linda assim, posso parar..."? Quem consegue parar a obsessão de contar calorias e de ver a sua imagem distorcida mesmo quando a balança e os amigos dizem exatamente o contrário?

A adolescente que escreveu o diário havia sofrido várias perdas afetivas durante a sua vida. A sua anorexia e bulimia, então, não seriam formas de reagir a essas perdas?

E quanto a vocês, que perdas sofreram?

Se a anorexia e a bulimia são formas de reagir a essas perdas afetivas, será que essas seriam as melhores formas de fazer isso ou isso só amplia o sofrimento?

Você acha que tem o controle sobre isso?

Se você quisesse parar agora, conseguiria?

Consegue responder a essas questões?