terça-feira, 11 de novembro de 2008

QUAL A SUA FANTASIA?

Na primeira parte do filme comentado no post anterior, vimos como muitas vezes, tais como viciados em crack, insistimos em repetir vivências que só nos causam dor...

No filme o personagem explica que, ao recriar os seus piores pesadelos, ele se sente vivo... ou seja, ele recria sua pior experiência de morte, com todas as dores que vem com ela, para simplesmente sentir que sobreviveu a isso.

Ele diz: "Nós otários, nos ferramos o tempo todo de propósito porque, tais como viciados, precisamos constantemente dessa sensação para lembrar que estamos vivos..."

E isso é vida???

Não é isso o que acorre na anorexia quando frequentemente nos enchemos de nada e sofremos todas as dores decorrentes disso; e na bulimia, quando nos enchemos de tudo até o corpo pedir clemência?

Isso é estar vivo?

Sou fã e fiel seguidora do Veríssimo quando ele diz:

"Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

Sim, e o filme?

Pois então, na continuação do filme... bem no final dele, ocorre o seguinte diálogo:

Ao saber que o marido tinha apostado (com ele mesmo) de que ela o trairia com o melhor amigo, ela diz:

"Ah, Walther! VOCÊ QUERIA PERDER! Como se eu fosse "fichas" que se colocasse sobre a mesa. Só que nós frustamos sua aposta, Brandon e eu; porque, claro, nós o amamos mais do que você ama a si mesmo. SUA FANTASIA É ACABAR SOZINHO, SEM NADA! Não vou deixar isso acontecer! Você entende? Nunca vou deixar que isso lhe aconteça! É isso! Isso é real Walther: você, eu e a julie. Somos a realidade! Isso é tudo, Walther!"

E você, qual a sua fantasia?

Você percebe o quanto tem se empenhado em suas ações contra você mesma? O quanto tem se esforçado para provar que tem razão no que você pensa sobre si mesma quanto a ser uma fracassada, uma looser?

Como vencer se, no final, tudo o que se conquista é sofrimento? Mesmo quando se atinge as "metas", o seu corpo foi tão massacrado, tão surrado, tão violentado por você mesma que é incapaz de usufruir de qualquer prazer.

Mudar isso não é fácil... mas perceber que o tempo todo você tem mentido pra você e agido contra si mesma, é um grande passo nessa direção!

Pra terminar, uma canção do Nando Reis:

"Eu não quero mais mentir

Usar espinhos que só causam dor

Eu não enxergo mais o inferno que me atraiu

Dos cegos do castelo me despeço e vou

A pé até encontrar

Um caminho, o lugar

Pro que eu sou!"